quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Meritocracia é justiça sim!

Quando nós falamos em meritocracia, sempre ocorre aquela dicotomia comum. "Então o boia-fria se trabalhar bastante, virará rico e milionário?" E a resposta é não.

 
Meritocracia não significa, necessariamente, que quem trabalha mais, produz mais, vale mais e ganha mais. Isso se chama teoria do valor-trabalho, de Marx. Meritocracia é, apenas, o mérito de se atender a demanda mercadológica, seja ela qual for.

Um boia fria não produz suficientemente, de forma subjetiva (como toda a valoração é) para ser rico. Ele não tem mérito para atender a demanda mercadológica de tal forma, pois, a demanda é subjetiva. Nós não estamos falando de algo objetivo como Marx propôs, isso é falso. Logo, esse exemplo não se aplica.

É muito comum atacar a meritocracia dizendo coisas como "O filho do rico tem mais chance!!!", porém, isto é também uma não questão. Por quê? Pois existem muitos outros fatores que irei abordar.

Primeiramente, a questão de privilégio não é objetiva, e não é só o capital que a família possui que irá determinar.
Em um sistema completamente livre de desigualdade, onde a meritocracia seria "justa" de acordo com a esquerda, locais como o Sul, pode ter uma desvantagem sobre o nordeste? Talvez, pois os alunos podem vir a ficar um tempo sem estudar. Afinal, isso não seria uma falha na meritocracia? É uma vantagem "injusta", oras.

Os alunos de certas localizações podem vir a ter escolas melhores ou hospitais melhores por conta dos profissionais, e isto é algo que não se pode ser influenciado, pois os indivíduos são diferentes, e eles também podem ter sido afetados por estes fatores externos.

Uma família pode dar mais apoio a seus filhos de maneira emocional, e outra não. Uma pode cobrar mais, outra não. Uma pessoa pode ter um amante e distrações e isso tirar o foco dos estudos. Esses exemplos seriam falhas? Não. Esses exemplos seriam coisas que fogem do controle dos indivíduos, assim como a herança, ou ter nascido de pais ricos.

Sem falar que é simplesmente impossível dar condições financeiras iguais as pessoas de forma justar. Vamos imaginar:

O governo do país X confiscou TODA a riqueza do país e distribuiu igualmente entre a população, e também distribuiu igualmente. Até mesmo em coisas como hospitais e escolas, eles distribuíram de maneira mais igual possível entre as regiões e deu um milhão de reais a todas as pessoas. (Digamos que tudo isso é possível, que não causaria totalitarismo, corrupção absurda, etc.. )
Alguns meses depois, as pessoas começaram a investir, outras a gastar, ficaram pobres e ricas. E para manter a igualdade financeira, o governo só tinha 2 opções:

Ou ele deixava acontecer o que acontecia, DE FORMA JUSTA, pois, as pessoas usaram o dinheiro delas como elas quiseram. E isso iria causar DE NOVO a desigualdade, e segundo a esquerda esta meritocracia seria "injusta" mesmo não havendo solução para ela como eu demonstrei.

Ou ela iria ficar confiscando os bens e redistribuindo, um assalto a mão armada. Que além de ser imoral, iria acomodar as pessoas e terminar de destruir a economia.
Então se pergunte, a meritocracia é justa?

Nenhum comentário:

Postar um comentário