quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Feministas? Tem certeza?

E se eu lhe dissesse que o feminismo só pode se basear na incoerência ou ódio? E seu lhe dissesse que se você se considera uma “feminista não-radical pró direitos iguais” você não passa de meritocrata capitalista? E seu lhe dissesse que no momento em que você é coletivista, você apoia o preconceito?




Feministas apoiam um “direitos iguais”, onde as mulheres são iguais aos homens por seus méritos, não sofrendo preconceito apenas por ser mulher.

E isso é bom, isso é coerente. Mas, “mulheres” não tem direitos, “mulheres” não possuem características, indivíduos sim. Logo, no momento em que você apoia “direitos iguais” as mulheres, você só pode apoiar: direitos iguais aos INDIVÍDUOS por mérito(o que te tira o rótulo de feminista, e te coloca em um patamar individualista meritocrata), ou, preconceito coletivista. De que forma? No momento em que você apaga as habilidades do indivíduo, e quer que mulheres ocupem cargos altos, tenham cotas, etc, você tira poder dos indivíduos, e por consequência, apoia o preconceito. Como? Se você não der poder aos indivíduos APENAS pelos seus méritos e não por terem nascido ou não com um pênis, você apoia o que faziam com 
as mulheres.

Na Índia, o sistema de castas está sendo subjugado pela industrialização, capitalismo e meritocracia. Vários economistas estão escrevendo artigos  explicitando a forma em que o capitalismo e mérito dá poder ao individuo e tira esse coletivismo. Da mesma forma que ocorre às castas, ocorre as mulheres.
Feministas costumam dizer que mulheres costumam ganhar menos que os homens.

Bom, o economista Thomas Sowell mostrou que mulheres que nunca foram casadas, e que tem o mesmo tempo e escolaridade que homens, ganham igualmente, e as vezes, mais. As pesquisas que mostram isso, esquecem o tempo de trabalho, período integral ou meio-turno, escolaridade, etc..  

Sem falar que, se as mulheres produzem, tem a mesma escolaridade e a mesma experiência, não seria vantajoso ao empregador apenas contratar elas?  

Eu não estou dizendo que o preconceito é inexistente, mas, é menor do que as pessoas imaginam, e quanto mais capitalismo e mais liberdade econômica, as empresas estão FADADAS a falir se não forem pelos méritos de seus funcionários, sendo preconceituosas. Quando mais capitalismo e meritocracia, mais igualdade.  

Feministas costumam dizer que “Uma mulher tem que ser presidente para dar poder as mulheres!!!”, e se eu lhe dissesse que eu não me importo se um homem ou uma mulher seja presidente, se o mesmo ou a mesma tiver méritos para isto. A única coisa que importa é o mérito do indivíduo, e se uma feminista apoia isso, ela se torna individualista meritocrata.

Feministas dizem que a sociedade é patriarcal, preconceituosa e que apoia o estupro por via da “cultura do estupro”. Eu não consigo ver coisa mais falaciosa que isso. As feministas dizem que a sociedade impute a culpa do estupro a mulher por estar andando de noite sozinha, ou com roupas indecentes, tirando a culpa do bandido. O que me leva a crer que também existe uma “cultura do assalto”, que, um individuo não tenha a MINIMA parcela de culpa, por sair de terno cravejado de diamantes de madrugada em uma favela. A culpa do crime não é dele, mas, a chamada “Cultura do estupro” pelas feministas não passa de uma constatação de fatos. “Se você poderia evitar, você leva uma parcela de culpa pelo evento ter ocorrido, mas, não é culpa sua ele ter ocorrido”. E claro, a sociedade que taca fogo e bate até a morte em estupradores, é muito pró-estupro.

Feministas costumam dizer que “O aborto é uma forma da mulher ter autonomia sobre seu próprio corpo”; bom, muitos libertários como eu costumam dizer que o aborto é apenas um direito natural, uma liberdade individual, mas, não caem na ladainha feminista de “aborto ser contra opressão masculina da sociedade”, mas, eu sou um libertário anti aborto. O aborto, é assassinato, no matter what. Todavia, as feministas não poderiam estar mais enganadas. No momento em que se deixa abortar, cria-se uma imagem má sobre a mulher que abortou(o que é um fator moral de toda sociedade), logo, essa “imposição de direitos da mulher” não melhora a situação da mesma, muito pelo contrário. Entretanto, feministas podem dizer que “antigamente mulheres não podiam estudar, mas, começaram a estudar e foram reconhecidas, mesmo as pessoas tendo más visões contra elas”, o que elas esquecem é: Estudar e trabalhar, é mérito. Indivíduos só podem ser reconhecidos por mérito, neste caso, os indivíduos gozavam de direitos iguais, e foram reconhecidos pelo mérito, não porque o estudo em si era uma “libertação das algemas patriarcais”, não. Apenas por dar oportunidade aos indivíduos de mostrarem mérito. Apenas.

Feministas costumam dizer que mulheres tem vidas piores que as dos homens por causa da sociedade; pobre feminista, ele esquece que as piores profissões, e profissões de risco como: estivador, limpador de fossa e todas estas profissões que causam dano ao corpo e que trazem risco a pessoas indivíduos que por sua vez são homens, realizam elas. Pobres feministas, esquecem que mulheres não tem nem alistamento militar obrigatório. Pobres feministas, não sabem que 90% dos sem-teto são homens. Pobres feministas, não sabem que a maior parte da violência urbana é contra homens. Pobre feministas, não sabem que estupro não apenas ocorre à mulheres, mas, que no EUA 140 mil presos sofrem estupro carcerário. Pobres feministas, esquecem que a guarda dos filhos NUNCA sai da mãe, a não ser que se prove maus-tratos, e nem pagam pensão.  

Eu não digo que as mulheres não sofram SÓ POR SER MULHERES, mas, os homens TAMBÉM sofrem só por serem homens, o importante é que se tire esses conceitos coletivistas preconceituosos das cabeças, de todos, e entendam que apenas indivíduos podem sofrer, por serem indivíduos.  



Logo, se você se intitula “feminista coerente”, que apenas apoia os direitos iguais entre indivíduos homens e mulheres largue este rótulo. Você é uma individualista meritocrata.

19 comentários:

  1. Serio, quanto lixo escrito em um texto tao curto! acho q estudar um pouco a respeito das linhas feministas e ter conhecimento de que elas são muitas ia te ajudar bastante antes de sair postando qualquer coisa na internet! ah um pouco de consciencia da vida tambem ia ajudar bastante!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crítica 10/10 no quesito de ser construtiva!
      Você não gosta do capitalismo, deixe-me adivinhar, nem da meritocracia, talvez por isso tenha se sentido meio irritado(a) com o texto. Mas enfim.
      Bom, só o que eu vi foi "mimimimi" mas, tudo bem. Você pode falar que nós devemos estudar, o que quiser. Mas, eu levantei argumentos no artigo que, apesar de não ser meu, é de um blog que é MEU. Não foi feito para ofender, mas no feminismo existe SIM muitas coisas radicais e ERRADAS, algumas, que o Mateus explanou no artigo, porém, a principal parte foi querer trazer elas para o lado individualista. Se você apoia iguais direitos, você é individualista e meritocrata. Não nos importa o seu choro, vá estudar Mises e a ação humana.

      Excluir
  2. “Se você poderia evitar, você leva uma parcela de culpa pelo evento ter ocorrido, mas, não é culpa sua ele ter ocorrido”

    Eu ia recomendar polidamente que você assistisse um filme chamado Cairo 678, sobre violência contra a mulher no Egito, mas acho que você não vai seguir a recomendação, então vou resumir a parte importante:
    ATÉ MULHERES USANDO BURCA SÃO ESTUPRADAS! Nenhuma mulher, NENHUMA MULHER, jamais, EM HIPÓTESE ALGUMA, tem culpa de ter sido estuprada. É tão difícil entender isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conhece direitos naturais? Estupro é violação do direito natural de autopropriedade, logo, o estuprador perde todos seus direitos naturais, porque ele deixa de ser humano ao cometer um estupro, podendo se fazer com ele absolutamente qualquer coisa até desumana.
      A mulher não ter nada para se defender seria a parcela de culpa dela. Que tal: legalize o porte de armas, assim as mulheres poderiam se defender.

      Excluir
    2. Que tal tornar as ruas seguras e tratar e controlar os estupradores?
      Sou contra a legalização do porte de armas em qualquer caso. Não caio nessa de que não ter nada pra se defender = culpa.
      Continua sendo discurso de culpabilização da vítima, que é uma das coisas mais escrotas que já vi.

      Excluir
    3. E outra, quem define que "ele deixa de ser humano ao cometer um estupro"? Que papo mais absurdo, mano. Ainda bem que não é você que faz as nossas leis.

      Excluir
    4. Meu(minha) filho(a), os países com maior número de armas por pessoas são os mais seguros, por exemplo, olhe essa imagem:
      https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash4/1472989_220230134826603_315239583_n.jpg

      Japão, China e Índia são exceções. Todos os outros que tem grande porte de armas tem menos homicídios. Isso acontece porque o porte de arma só existe para ameaçar, como "caso você tente fazer algo contra mim, saiba que você pode levar um tiro".
      Disparar uma arma contra alguém inocente continua errado, e faz você merecer 5 balas na testa de qualquer jeito. E caso você mate alguém inocente, ainda é provável que tenha outras pessoas perto de você armadas que vão atirar em você. O governo não consegue parar homicídios eficientemente. A liberdade para porte de armas consegue

      Excluir
    5. E claro que isso tem a ver com o porte de armas ser liberado e não com outros fatores como índice de desigualdade, investimento em segurança, iluminação, infra-estrutura, etc.
      Eu não sei qual é essa necessidade sádica que algumas pessoas têm de sentir poder segurando um instrumento que foi feito unica e exclusivamente pra ferir e matar. E nem sei quem te deu licença pra decidir quem "merece 5 balas na testa" e o que impede outra pessoa armada de decidir que você mereça também.

      Excluir
    6. Você está simplesmente tapando os ouvidos e gritando aleatoriamente.
      Primeiramente, índice de desigualdade é a coisa mais estúpida que você pode usar como argumento, a desigualdade só vai se diminuir com menos intervenção governamental, vide Singapura, segundo país mais livre do mundo, onde 11% da população é milionária. Queria ver dados dizendo que você está certo(a).
      Investimento em segurança, iluminação, infraestrutura não vem a partir do governo, vários economistas já demonstraram como que o investimento feito por pessoas comuns na área privada é melhor e mais efetivo que o investimento feito pela esfera pública. A Alemanha pratica corrupção assim (uma das maneiras que o Brasil também faz): as pessoas pagam imposto, e o governo vai atrasando a obra, roubando mais e mais dinheiro, de maneira que a obra fica muito lenta e as pessoas acabam pagando pelo imposto um valor muito mais alto do que seria necessário realmente para a obra.
      As armas não são feitas exclusivamente para ferir e matar, elas servem de AMEAÇA para caso alguém queira violar algum direito seu. Por exemplo, se alguém te assaltar, você pode se defender. Não se acaba com assaltos "conscientizando" a população, mesmo porque as pessoas tem direito de querer serem conscientizadas ou não.
      Mais uma coisa, preconceito também é liberdade individual, eu tenho direito de pensar o que eu quiser das outras pessoas, inclusive bandidos comuns, e se você defende bandido, vai acabar morto(a).

      Excluir
    7. Blz cara, só me explica melhor a parte do "A mulher não ter nada para se defender seria a parcela de culpa dela".
      Foi sério isso? Você falou isso pra valer?

      Excluir
    8. Você tem um conceito de "culpa" diferente. Culpa não deixa de ser responsabilidade.

      Excluir
    9. Excelente texto Eduardo. Observe que o texto está sendo criticado por alguém que é contra o porte de armas, mas que acha que existe uma solução mágica para controlar os estupradores, sem que as vítimas tenham direito a defesa. Como já dizia Mises, é de cair o cu da bunda.

      Excluir
  3. Quanta merda esse rapaz conseguiu escrever de uma só vez!

    ResponderExcluir
  4. o ultimo argumento fala do direito do filho nunca sair da mãe e tem algo (não lembro se no ultimo ou anterior argumento) falando sobre serviço militar obrigatório. bom, o argumento feminista padrão pra isso é: "o feminismo luta contra esse machismo da sociedade que também oprime o homem".
    eu concordo que isso é desigual e opressor, você está julgando que por ter nascido com pênis alguém não pode ter a guarda de um filho e tem que participar de uma organização imbecil como as forças armadas (sou da opinião das forças militares privadas). mas a "cultura do estupro" também não pode ser entendida como reflexo social ou causa dessa desigualdade?
    poderia pensar que pelas pessoas terem seu direito a liberdade garantido, menos mulheres seriam estupradas?
    e quanto a questão de separar brinquedos como "para menino" e "para menina", isso não cerceia a liberdade, de maneira sutil por meio das propagandas e do julgo social, que a criança tem de escolher com o que ela quer brincar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "mas a "cultura do estupro" também não pode ser entendida como reflexo social ou causa dessa desigualdade?"

      A cultura do estupro é inexistente, amigo. Como demonstrei no texto, ela não passa de uma "constatação de fatos" e "institucionalização do óbvio". As pessoas queimam estupradores, e os matam. Porém, as pessoas também julgam quem anda de terno e gravata no meio de uma favela.

      "poderia pensar que pelas pessoas terem seu direito a liberdade garantido, menos mulheres seriam estupradas?"

      Talvez, mas aposto que menos mulheres ainda seriam estupradas se tivessemos porte de armas, polícias privadas, etc.. Não só as liberdades individuais, mas, formas praticas de serem respeitadas.

      "e quanto a questão de separar brinquedos como "para menino" e "para menina", isso não cerceia a liberdade, de maneira sutil por meio das propagandas e do julgo social, que a criança tem de escolher com o que ela quer brincar?"

      Isso é uma não-questão. Já foi mostrado que esse tipo de comportamento é cientifico, nós, temos uma "predisposição" a termos certas atitudes pelos nossos antepassados, meninos brincam na lama, lutam, etc.. pelo fato de antigamente eles serem os guerreiros da tribo. E as meninas hoje, tem a predisposição a brincar de casinha.
      Mas é óbvio que se um pai ou mãe proibe o filho de certas coisas por esse motivo, ele é estúpido.

      Obrigado por fazer perguntas e tentar chegar a um consenso intelectual, saudações anarcocapitalistas.

      Excluir
    2. Mateus, belo texto, só gostaria de deixar minha opinião que a predisposição para certos tipos de comportamento é biológica, e não advém dos papéis "de nossos antepassados", onde você sugere que essa predisposição seria cultural.

      Excluir
  5. "Pobres feministas, não sabem que 90% dos sem-teto são homens. Pobres feministas, não sabem que a maior parte da violência urbana é contra homens. Pobre feministas, não sabem que estupro não apenas ocorre à mulheres, mas, que no EUA 140 mil presos sofrem estupro carcerário. Pobres feministas, esquecem que a guarda dos filhos NUNCA sai da mãe, a não ser que se prove maus-tratos, e nem pagam pensão."
    Só faltou as fontes

    ResponderExcluir
  6. Tudo que eu vi foi um texto com opinião polêmica apenas para conseguir mais visualizações.

    Você deveria ter vergonha de ignorar toda a história da humanidade apenas para fazer um texto "coerente" com a sua opinião.

    Só faltou falar que não existe racismo e que os gays são privilegiados.

    ResponderExcluir
  7. Excelente discussão!

    A Lei moral é tão antiga quanto o tempo que irá se perpetuar. Nessa lei, que contém 10 parágrafos, que foi escrita pelo dedo de seu legislador também é o reflexo do seu caráter.

    Ao vê-la/lê-la, como um espelho que a criatura se vê, essa lei mostra o que falta e o que precisa ser corrigido.

    Se vc cria um carro movido a gasolina e o usuário usa água como combustível, a potência e o uso do carro ficam comprometidos com o passar do tempo.

    O que se vê são vários carros movidos a qualquer combustível com baixas ou nulas potências tentando correr na pista....

    ResponderExcluir